You are currently viewing Produção e logística

Produção e logística

Novos métodos de produção e de logística sofisticam as empresas e podem ser diferenciais de sucesso no mercado

Por Leon Santos

Se você compra livros impressos em lojas físicas, provavelmente já deve ter escutado que a publicação estava em falta. E mais, para adquiri-lo seria preciso fazer uma reserva lá no estabelecimento mesmo.

Com a popularização dos livros digitais (E-books), as editoras têm utilizado o método de produção sob demanda. Em outras palavras, elas esperam formar um determinado número de pedidos, em livrarias físicas e virtuais, para então imprimi-los.

Muito além de ser apenas um modelo de produção, é também uma estratégia de logística, segundo o mestre em administração e consultor da HRM Logística, Hélio Meirim. Ele conta que nos últimos anos, o setor vem ganhando maior protagonismo com as compras digitais (via E-Commerce) e lembra que mesmo os produtos adquiridos em lojas físicas utilizam serviços logísticos.

Meirim destaca que durante o isolamento social, oriundo da pandemia, houve uma brusca mudança de hábito do consumidor, que passou a comprar mais pela internet. Porém, ele conta que mesmo antes do fenômeno sanitário, as empresas já optavam por novas fórmulas de produção e entrega, como ao utilizar o método JIT.

Na logística, o processo denominado “Just in Time” ou JIT (do inglês, ‘na hora certa’) é utilizado desde os anos 1970, porém ganhou notoriedade no Brasil apenas nos últimos 20 anos. Na prática, o processo visa repor gradualmente os itens dos armazéns, à medida que são solicitados ou quando “há saída”.

Segundo Meirim, o JIT ajudou a revolucionar a logística à medida que requer o acompanhamento, em tempo real, do número de produtos que saem; exige o cálculo do espaço disponível no armazém e, na sequência, solicita ao fornecedor aquilo que está prestes a faltar. Entre seus benefícios estão ainda a diminuição de custos dos itens em estoque, redução de valores relacionados ao espaço de armazenagem (custo pelo tamanho do galpão) e riscos de obsolescência dos produtos.

“Quando pensamos em ‘Just in time’ é importante avaliarmos o modelo de produção que deixa de ser empurrado (produzir para fazer estoque) e passa a ser puxado (produção sob demanda), e, nesse sentido, construir um bom relacionamento com os fornecedores é essencial. Ter uma comunicação ágil, planejamento compartilhado e relacionamentos proativos e de longo prazo também passam a fazer parte da estratégia de relacionamento com os fornecedores”, revela.

Revolução

Segundo a professora do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), Karla Motta, a evolução tecnológica foi um divisor de águas para a logística no contexto da Quarta Revolução Industrial. O fenômeno elevou a facilidade de transmissão de informações e fez com que aumentasse a comparação entre produtos e também serviços.

A pesquisadora lembra que cada venda implica uma entrega (seja de produtos físicos ou digitais) e que ambas requerem um sistema de distribuição entre pontos de demanda e oferta. Por isso, ressalta que para os consumidores receberem seus produtos com rapidez e sustentabilidade, as empresas precisam se relacionar como redes integradas e utilizar tecnologias como automação, inteligência artificial e internet das coisas, além de sensores, simuladores, armazenamento em nuvem e conectividade em tempo real.

“Desse modo, elas ganham aumento de produtividade, melhor controle de estoque e prevenção de fraudes. Também conseguem fazer a roteirização e manutenção de veículos, o que repercute diretamente na qualidade dos serviços de distribuição e das entregas em si”, relata.

Diferenciais

Quanto à relação entre produção e entrega, Karla ressalta a importância dos processos de customização em massa e do produto mínimo viável’ para serem agregados à estratégia de postponement, na logística O primeiro termo se refere à capacidade de oferecer rapidamente grandes volumes de bens e serviços customizados que atendam aos anseios de cada cliente, a custos semelhantes aos de produtos padronizados.

O Produto Mínimo Viável (PMV) significa construir a versão mais simples e enxuta de um produto, empregando o mínimo de recursos necessários para sua criação, o que acelera a logística. Já a estratégia de postponement consiste em adiar ao máximo o deslocamento de produtos, até que a demanda seja conhecida e viável economicamente.

“Ao agregar o PMV à customização em massa e à estratégia de postponement, a empresa consegue atender pedidos customizados e adiciona diferencial ao produto básico — em uma etapa de produção complementar, de acordo com as variações da demanda. Assim, os benefícios da gestão logística decorrem da integração interna das atividades de produção e fluxos de materiais, bem como gestão da demanda, suporte operacional e aprovisionamento”, sentencia.